Conectate con nosotros

Internacionales

Le dejaron 0 km su rostro tras cirugía

Publicado

en

EL ANTES Y EL DESPUÉS. Con los tumores externos, y luego de la cirugía de reconstrucción.
abril 9, 2018
1 Minutos de Lectura
Compartir
Desde criatura don Hugo Espinoza, oriundo de la ciudad de Pilar, departamento de Ñeembucú, sufrió una rara enfermedad: la de neurofibromatosis, un mal que le generó tumores enormes en el rostro. Para él, salir a la calle era todo un tema porque todos le miraban. Pero todo eso terminó. A sus 50 años, fue sometido a una cirugía plástica de reconstrucción. La operación fue un éxito y hoy don Hugo muestra su nuevo rostro y está muy feliz.

El don fue seleccionado para la cirugía estética y de reconstrucción gracias al programa Ñemyatyrõ, del Ministerio de Salud Pública y Bienestar Social (MSPyBS). Espinoza comentó que realizó varios intentos para llegar a la cirugía, pero sin éxito alguno. Finalmente y gracias al programa del Ministerio de Salud, logró obtener el rostro que nunca tuvo.

TRATAMIENTOS

Ahora, don Hugo Espinoza debe someterse a tratamientos oftalmológicos para recuperar la visión en el ojo izquierdo. CRONICA

Sigue leyendo
Anuncio
Comentarios

Internacionales

Produtores do Brasil temem sobra de grãos com acordo entre China e EUA

Publicado

en

Receio é que Pequim passe a priorizar produtos agrícolas americanos, em detrimento dos brasileiros24 de março de 2019 às 09:03 
Por Estadão ConteúdoCompartilhe:TwitterFacebookGoogle PlusLinkedInE-mail

Soja no porto exportação
Foto: Governo Federal

Um eventual acordo entre China e EUA colocando fim à guerra comercial já causa tensão no setor agrícola brasileiro. “E a preocupação é grande, não é pequena, não”, diz o diretor-geral da Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec), Sergio Mendes.

O receio é que Pequim passe a priorizar os produtos agrícolas americanos em detrimento dos brasileiros. Desde a trégua anunciada pelos dois países em dezembro, as vendas de soja dos EUA para a China subiram.

Em 2018, o Brasil foi um dos maiores beneficiados pela guerra travada entre os dois países. O país exportou 82,8 milhões de toneladas de soja, alta de 21% ante 2017. “Os números de 2018 são completamente fora da curva. Vendemos sem concorrência e a guerra comercial foi preponderante”, afirma Mendes.

A Anec estima exportar 70 milhões de toneladas neste ano, volume que pode diminuir se o acordo entre China e EUA for muito favorável aos americanos. Os EUA estão com estoque alto de soja e poderiam vender para a China já neste primeiro semestre, concorrendo com Brasil e Argentina – a safra dos países da América do Sul é no começo do ano, enquanto a americana é no segundo semestre.

Da soja exportada pelo Brasil, 82% foram para a China, quase dez pontos percentuais a mais que em 2017. Segundo Mendes, como a China compra quase a totalidade da produção brasileira, o país não terá para onde destinar seus grãos caso os orientais reduzam suas importações.

O produtor Valdir Edemar Fries, de Itambé (PR), calcula que vai exportar 21% a menos neste ano. Ele ainda não estimou a perda em receita, mas acredita que superará esse percentual. “Além de ter produzido menos por causa da estiagem, o acordo branco (informal) entre China e EUA já afeta a cotação. Há dez dias a soja estava a R$ 71 a saca. Hoje, não passa de R$ 67,50”. Na safra 2017/2018, Fries conseguiu média de R$ 72,50 por saca.

A estiagem que afetou a produção de soja no Paraná, segundo maior produtor brasileiro, atingiu também as lavouras de Fries. A produtividade por hectare, que havia sido de 75 sacas, em média, na safra passada, caiu para 58,8. Ele conta que havia a possibilidade de compensar parte da perda com preços melhores, o que não ocorreu. “Quando fiz as vendas no mercado futuro, em novembro, vendi apenas o necessário para cobrir os custos, pois achava que, em razão da guerra comercial, os preços iriam subir. Não foi uma boa aposta”.

O produtor Emílio Kenji Okamura, presidente da Cooperativa Agrícola de Capão Bonito (SP), teme pelo escoamento mais lento da soja para o porto. “Nossa cooperativa tem capacidade para 600 mil sacas e os silos estão lotados. Muitos não quiseram vender acreditando que a briga dos EUA com os chineses ia longe, mas Donald Trump amenizou e já tem soja de lá sendo levada para a China.”

“Quem vendeu antecipado conseguiu até R$ 80 a saca, mas muito produtor preferiu esperar e agora o preço oscila entre R$ 71 e R$ 72. Ninguém sabe como o mercado vai ficar nos próximos meses, o que torna difícil um planejamento”, diz Okamura.

Sigue leyendo

Internacionales

Paraguay marca historia con medalla de oro en juegos Suramericanos de Playa

Publicado

en

Los paraguayos sumaron una nueva medalla, esta vez de oro, el cual se convirtió en el primero en todas las ediciones de los Juegos.

Las atletas Rocío Valdez, Nicole Martínez y Claudia Netto conquistaron la medalla tan preciada.

Las remeras superaron a su par de Argentina en una carrera en la que siempre dominaron.

Video insertado

Camilo Perez LopezM
@CamiloPerezLM
Momento histórico para nuestro deporte !! Primera medalla de Oro en unos Juegos Suramericanos de Playa !! Dobles Remo con timonel femenino !! #Paraguay🇵🇾Puede !! @coparaguay @odesurmedia @rosario_2019

🚨¡LLEGÓ LA MEDALLA DE ORO!🚨

🚣🏽‍♀️#Remo ¡Medalla de Oro en dobles con timonel femenino! ¡Histórica presea dorada para nuestro país! 🙌🏼

¡Felicitaciones a Rocio Valdez y Nicole Martínez!

💪🏼 ¡VAMOS #TeamParaguay🇵🇾! 👏🏼

68
15:44 – 20 mar. 2019
33 personas están hablando de esto
Información y privacidad de Twitter Ads
Además los remeros Javier Insfrán y Matías Ramírez lograron la medalla de plata, y Argentina se quedó con el oro y Chile con el bronce.

Ver imagen en TwitterVer imagen en TwitterVer imagen en TwitterVer imagen en Twitter

Comité Olímpico Pyo
@coparaguay
✴ IV Juegos Suramericanos de Playa @Rosario_2019 🏖

🚨¡LLEGÓ LA MEDALLA DE PLATA!🚨

🚣🏽‍♀️#Remo ¡Medalla de Plata🥈en dobles con timonel masculino! 🙌🏼

¡Felicitaciones a Javier Insfrán y Matias Ramírez. Timonel: Claudia Netto!

💪🏼 ¡VAMOS #TeamParaguay🇵🇾! 👏🏼

7
16:43 – 20 mar. 2019

Sigue leyendo

Internacionales

TURISMO – O empresário que quer transformar Olímpia, em SP, na ´Orlando brasileira`

Publicado

en

Entre as novas atrações da cidade, está o Parque dos Dinossauros, que deve abrir no primeiro semestre de 2019 com investimento de 15 milhões de reais

Um dos brinquedos do Vale dos Dinossauros, que será aberto em Olímpia, SP (Grupo Natos/Divulgação)?

Dinossauros gigantes, bar de gelo e museu de cera são algumas das atrações voltadas a transformar a Estância Turística de Olímpia, no interior de São Paulo, na Orlando brasileira. Os empreendimentos são iniciativa de Rafael Almeida, empresário do ramo de construção e mercado imobiliário, para garantir visitas à cidade durante todo o ano – e encher os quartos de hotel do seu grupo, Natos.

A cidade paulista, com apenas 54 mil habitantes, recebe cerca de 3 milhões de turistas todos os anos. A maior parte dos turistas brasileiros se dirige ao Thermas dos Laranjais, o 5º maior parque de águas termais do mundo. Já a cidade do Mickey Mouse na FlóridaEstados Unidos, recebeu mais de 72 milhões de turistas em 2017.

O parque tem mais de 300 mil metros quadrados reúnem cerca de 50 atrações como complexos de toboáguas, piscina de surfe, duas praias artificiais, rio de correnteza e parque infantil, além da única montanha-russa aquática do Brasil. Todos os brinquedos são abastecidos com água quente natural.

Recentemente, inaugurou um complexo de toboáguas, chamado Lendário (veja matéria completa no final),com um investimento de milhões de reais. Até 2021, o plano é inaugurar 40 novas atrações em uma área anexa de 70 hectares, três vezes o tamanho atual do parque.

Entre as novas atrações trazidas pelo empresário para a cidade, está o Parque dos Dinossauros, que deve abrir no primeiro semestre de 2019 e terá investimento de 15 milhões de reais. São 32 réplicas dinossauros animadas.

O Museu de Cera terá cerca de 100 estátuas, que são confeccionadas nos Estados Unidos e Inglaterra a partir das medidas dos famosos. No Dreams Ice Bar (Bar de Gelo), a temperatura será de -10ºC, para manter as 50 toneladas de gelo usadas na decoração.

Brinquedo “Lendário” do parque Thermas dos Laranjais, em Olímpia, SP (Grupo Natos/Divulgação)

Sem camas

Antes de pensar nas novas atraçõesRafael Almeida e outros empresários da cidade precisaram solucionar um outro problema. Não havia quartos de hotel para todos os visitantes. Em 2002, a cidade tinha 687 leitos.

O Grupo Natos, presidido por Almeida e formado por três grupos incorporadores, W Palmerston, Griffe Investimentos e ABL Prime, tentou resolver a questão. Com faturamento estimado de 220 milhões de reais em 2019, os investimentos da companhia são superiores a 1 bilhão de reais, relacionado à construção de três resorts em Olímpia até 2021.

Um dos empreendimentos Enjoy, já está em operação e os outros, Solar das Águas Park Resort Olímpia Park Resort. Juntos, o Enjoy e o Solar terão capacidade para receber até 10 mil hóspedes.

Inspirados no modelo que é usado em Caldas Novas, cidade em Goiás conhecida por águas termais, o grupo investe em complexos multipropriedade. Diferente da operação de um hotel, a propriedade é vendida para visitantes ou investidores. Nesse caso, para vários proprietários diferentes, cada um com direito a ocupar o local por um mês durante o ano.

construção dos empreendimentos foi necessária para que o parque aquático pudesse continuar crescendo. A inauguração de três grandes resorts em 2018, não apenas do grupo Natos, ampliou a capacidade hoteleira do município de 9.906 leitos para 17.742 leitos de hospedagem no ano.

A cidade, hoje, tem capacidade para receber 5 milhões de turistas por ano. “Agora a rede hoteleira chegou, não corremos mais risco”, afirma Rafael Almeida.

Em 2018, 2,6 milhões de turistas ficaram hospedados na cidade de Olímpia, aumento de 29% em relação à ocupação de 2017. São 167 mil pessoas por mês em média, mais de três vezes a população da cidade.

Fachada – Enjoy Olímpia Park Resort (Grupo Natos/Divulgação)

Atrações para o inverno

Agora, o obstáculo é outro. Como o principal atrativo da cidade de Olímpia é o parque aquático, o desafio é conquistar turistas durante todo o ano, não apenas no verão, e ocupar todos os novos imóveis e quartos de hotel. O desafio também é tornar a cidade interessante para viajantes diferentes, já que o principal público do parquesão famílias com crianças pequenas.

Almeida entrou em contato com alguns grupos de parques para trazer suas operações para a  cidade. “Tentamos levar o Playcenter e o Parque da Mônica, mas com a crise não tivemos o financiamento necessário para isso”, afirma ele.

Em 2018, firmou uma parceria com o Grupo Dreams, que tem atrações em Gramado, no Rio Grande do Sul, para trazer novos parques, museus e empreendimentos para Olímpia.

grupo gaúcho possui cinco atrações na Serra Gaúcha (Hollywood Dream Cars, Dreamland Museu de Cera, Harley Moto Show e Vale dos Dinossauros), além de atrações em Foz do Iguaçu, Caldas Novas/GO, Aparecida/SP, Cancun, no México, e Boston, nos Estados Unidos

Dreams terá 51% de participação e dos resultados dos novos empreendimentos, enquanto Almeida e outros dois investidores ficarão com 49%.

“Olímpia precisa de outros atrativos além das águas termais. Estamos trabalhando para que a cidade se torne um destino turístico importante”, afirma o gerente de projetos do Grupo Dreams, Ícara Pereira Cardoso.

Almeida também possui outros empreendimentos na cidade. É franqueado das redes de alimentação Burger King Rock and Ribs, que deverá inaugurar este ano. Também traz atrações temporárias, como pista de patinação no gelo e brinquedos infláveis.

Mercado pequeno

mercado de turismo e de parques de diversão no Brasil ainda é pouco desenvolvido no Brasil.

Significativamente menor que o mercado norte-americano, o país também fica atrás de outros pares na América Latina, como o México, que atrai turistas para Cancun, no Caribe, Guatemala ou Chile, diz Francisco Donatiello Neto, diretor da Adibra – Associação dos Parques de Diversões do Brasil.

Há poucos grandes parques, como o Beach Park no Ceará, o Beto Carrero em Santa Catarina e o Wet ´n Wild, em São Paulo. Não é um setor fácil de operar. O Hopi Hari está em recuperação judicial e o Playcenter fechou as portas em 2012.

Donatiello acredita que a construção de uma forte rede hoteleira ao redor desses parques, bem como a abertura de outras atrações, podem ajudar no crescimento do segmento.

Durante a crise econômica no Brasil, muitos turistas deixaram de ir ao exterior e passaram a viajar com mais frequência pelo Brasil.

Agora, com a volta do crescimento econômico, AlmeidaCEO do grupo Natos, acredita que o mercado deve se desenvolver ainda mais. “Claro que muitos voltam a viajar para fora, mas pessoas que estavam desempregadas ou com pouca confiança passam a viajar”, diz.
(Fonte: Exame/Abril março 2019)

Praia artificial no parque Thermas dos Laranjais, em Olímpia, SP (Marco Ankosqui/Grupo Natos/Divulgação)


VEJA ABAIXO MATÉRIA COMPLETA COM VÍDEO DA INAUGURAÇÃO DO LENDÁRIO EM OLÍMPIA…

THERMAS DOS LARANJAIS lança o Lendário, maior complexo de toboáguas radicais do Brasil
https://www.olimpia24horas.com.br/noticias/thermas-dos-laranjais-lanca-o-lendario-maior-complexo-de-toboaguas-radicais-do-brasil/0/15381

Sigue leyendo

Más popular