Conectate con nosotros

Otros

As mulheres convidadas para a equipe de transição do governo Bolsonaro

Publicado

en

As mulheres convidadas para a equipe de transição do governo Bolsonaro

Da esquerda para a direita: a economista Clarissa Gandour, a tenente-coronel do Corpo de Bombeiros do DF Márcia da Cunha, a tenente da reserva Liane Fernandes Costa Silva e a tenente Silvia Nobre Waiãpi: Quarteto foi convidado para o governo e aguarda nomeação
Após um primeiro anúncio de 28 nomes para a equipe de transição de governo em que constavam apenas homens, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) convidou quatro mulheres para compor o time.

Três delas têm experiência na carreira militar e uma é economista com especialização em meio ambiente. As nomeações ainda não foram publicadas no Diário Oficial e a assessoria da equipe de transição não confirmou como elas atuarão e se terão remuneração.
PUBLICIDADE.

Segundo apuração da BBC News Brasil, a economista Clarissa Gandour atuará como voluntária, enquanto a tenente-coronel do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal Márcia Amarílio da Cunha Silva ficará cedida pela corporação, mantendo seu salário atual.

Na quarta-feira, Bolsonaro anunciou também a primeira mulher que será ministra de seu governo. A deputada Tereza Cristina (DEM-MS) comandará a pasta da Agricultura, que não deve mais incorporar o Ministério do Meio Ambiente, como originalmente anunciado.

“Não estou preocupado com a cor, sexo ou sexualidade de quem está na minha equipe, mas com a missão de fazer o Brasil crescer, combater o crime organizado e a corrupção, dentre outras urgências”, escreveu o presidente eleito em seu Twitter.
PUBLICIDADE.

Nesta quinta, a assessoria da equipe de transição divulgou foto de uma reunião geral em que havia apenas homens, entre eles os futuros ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Paulo Guedes (Fazenda) e Sergio Moro (Justiça).

A expectativa é de que mais mulheres sejam anunciadas para a equipe de transição. Confira abaixo o perfil das quatro primeiras.

Márcia Amarílio da Cunha Silva

A tenente-coronel do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal Márcia Amarílio da Cunha Silva Amarílio, por enquanto, está colaborando com a equipe de transição na área de educação
Primeira mulher convidada para a transição, Márcia Amarílio da Cunha Silva é tenente-coronel do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal. Ela passou a colaborar na construção da candidatura de Bolsonaro há cerca de um ano.

Silva participava das reuniões semanais organizadas pelo general da reserva do Exército Augusto Heleno, que deve assumir o GSI (Gabinete de Segurança Institucional) no próximo governo. Bolsonaro costumava comparecer até sofrer um atentado em Juiz de Fora (MG), em setembro.

A tenente contou à BBC News Brasil que, nessas reuniões, participou dos grupos de educação, meio ambiente e segurança pública, levantando informações para subsidiar a campanha e o plano de governo.
PUBLICIDADE.

Com 25 anos de Corpo de Bombeiros no DF, ela hoje comanda o Centro de Ensino de Altos Estudos Oficiais da corporação, que cuida da formação de capitães e coronéis. Tem também vasta experiência na área política, tendo atuado por 15 anos – sete deles como chefe – na equipe de assessoria parlamentar do Conselho Nacional dos Corpos de Bombeiros Militares do Brasil.

Ela está, por enquanto, colaborando com a equipe de transição na área de educação e ficará cedida pelo Corpo de Bombeiros, mantendo seu salário atual, sem acumular nova remuneração.

Na sua visão, a imprensa se precipitou ao destacar a falta de mulheres na equipe quando os primeiros nomes da equipe de transição foram anunciados. “Acho importante a participação de mulheres porque o Brasil é feito de diversidade”, ressaltou.

Clarissa Costalonga e Gandour

Clarissa Gandour foi convidada para trabalhar na área de meio ambiente durante a transição
Clarissa Costalonga e Gandour é economista especializada em monitoramento da eficácia de políticas públicas para preservação do meio ambiente. Ela tem graduação, mestrado e doutorado na faculdade de economia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Atualmente, é analista sênior do escritório carioca do CPI (Climate Policy Initiative), onde coordena o desenvolvimento de projetos estratégicos. Junto com seu professor na PUC-Rio e chefe no CPI, Juliano Assunção, e outros pesquisadores, realizou um estudo que levantou o impacto bem-sucedido de ações de preservação ambiental durante o governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo esse levantamento, políticas públicas como o acompanhamento contínuo do desmatamento via satélite, fortalecimento das operações de fiscalização, criação de novas unidas de preservação e restrição do acesso ao crédito rural por fazendeiros na região amazônica evitaram aproximadamente 62 mil km2 de área desmatada entre 2005 e 2009.

Em vídeo disponível no YouTube, Gandour explica as conclusões do estudo em inglês fluente, em intervalo da conferência da ONU sobre o clima de 2012 em Doha, no Catar.

À BBC News Brasil, a pesquisadora confirmou por email ter sido “convidada a contribuir com a transição em caráter voluntário no grupo de trabalho de meio ambiente”.

“Ela é uma economista com treinamento excepcional em avaliação de políticas públicas”, afirmou à reportagem seu professor Juliano Assunção.

“Acho que a participação da Clarissa só faz sentido se o governo desejar aprimorar as políticas de combate ao desmatamento, porque todo o trabalho que ela fez ao longo da trajetória profissional dela diz respeito à mensuração do impacto dessas políticas e mecanismos sob os quais essas políticas podem ser aprimoradas”, acrescentou.

Silvia Nobre Waiãpi

A tenente Silvia Nobre Waiãpi foi a primeira indígena a ingressar no Exército. Ela é também artista, atleta e fisioterapeuta
A tenente Silvia Nobre Waiãpi, primeira indígena a ingressar no Exército, tem uma história de superação e versatilidade – é artista, atleta e fisioterapeuta.

Entrou para as Forças Armadas em concurso de 2010 e hoje é chefe do Serviço de Medicina Física e Reabilitação em Fisioterapia do Hospital Central do Exército no Rio de Janeiro.
PUBLICIDADE.

Nascida no interior do Amapá, deixou a aldeia de seu povo, os Waiãpi, para o Rio após ser mãe aos 13 anos.

“Vim sozinha. Não conhecia ninguém, dormi nas ruas por alguns meses. Eu tinha uma pedra, que acreditava que era sagrada, e a vendi para comer. Com aquele dinheiro eu consegui comer uns dois dias. Depois, comecei a vender livros de porta em porta”, contou ao portal UOL em 2011.

Ainda segundo essa reportagem, Waiãpi se interessou por poesia ainda adolescente. Depois, passou a escrever e foi premiada com a medalha Cultural Castro Alves, a medalha Monteiro Lobato e também um prêmio de jovem escritora da Academia Literária Feminina do Rio Grande do Sul.

Mais recentemente, atuou na minissérie da Rede Globo “Dois Irmãos”, transmitida em janeiro de 2017. Ela interpretou a personagem indígena Domingas, que é tirada de sua tribo para trabalhar como doméstica.

À reportagem do UOL em 2011, Waiãpi contou também ter voltado poucas vezes a sua aldeia. “Quero abrir uma nova ponte para mulheres índias no Brasil, não só nas Forças Armadas, mas em outros segmentos. Já tenho amigas que disseram que agora vão se preparar para entrar nas forças”, afirmou.

A coordenadora executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) e candidata à vice-presidente pelo PSOL na eleição deste ano, Sônia Guajajara, disse à BBC News Brasil que a nomeação de Waiãpi não altera em nada sua visão de que o governo Bolsonaro representa uma ameaça aos índios.

“Ela (Waiãpi) tem origem indígena, mas não é uma liderança, nem fala em nome dos povos indígenas. Isso (a nomeação) de jeito nenhum vai significar o apoio dos povos indígenas a esse governo. Somos um dos alvos prioritários”, ressaltou.

A BBC News Brasil fez contato com Waiãpi por meio de sua página oficial no Facebook, mas ela disse que não poderia conceder entrevista sem autorização do Exército.

Liane de Moura Fernandes Costa

Liane de Moura Fernandes Costa é mais uma mulher da equipe de transição egressa da carreira militar. Formada em 2007 no curso de Engenharia Ambiental da Fundação Universidade Federal do Tocantins, com especialidade em construções sustentáveis, ingressou em 2009 no Exército, onde atuou na seção de meio ambiente do Departamento de Engenharia e Construção (DEC).

Deixou a instituição há pouco, depois de concluir o tempo máximo de oito anos de serviço nesse tipo de contratação, e está atuando como estagiária na área de engenharia do Ibama. É hoje tenente da reserva.

Costa possui também licenciatura em Educação Profissional pelo Instituto Federal de Brasília (IFB) e já foi professora substituta do Curso Técnico em Controle Ambiental na mesma instituição, ministrando aulas de Tratamento de Água, Introdução ao Controle Ambiental e Gerenciamento de Resíduos Sólidos.

A tenente da reserva costuma participar em Brasília de ações voluntárias de coleta e reciclagem de resíduos. Entre vídeos de Carnaval de r
ua no interior do Tocantins e sobre práticas ambientais, também curtiu em seu canal no YouTube um registro do ano passado em que o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL) rebate fala de uma líder estudantil crítica ao projeto Escola Sem Partido em audiência na Câmara dos Deputados.

Costa atendeu ligação da reportagem, mas explicou que estava orientada a não conceder entrevistas sem prévia autorização. Disse apenas que foi convidada a prestar assessoria na área ambiental.
Fonte: BBC Brasil

PUBLICIDADE.

Sigue leyendo
Anuncio
Comentarios

Otros

Mujer publicó por error su video erótico en redes

Publicado

en

BULGARIA. Hay que tener cuidado con lo que se sube en redes sociales, para muestra vale un botón, ya que una mujer por error publicó en Facebook un video erótico dedicado a su esposo, perdió a su familia luego de que el clip se hiciera viral al ser compartido por varios usuarios.

Al estar su esposo lejos por cuestiones de trabajo, la mujer decidió grabar el video erótico para enviárselo a su esposo, quien en ese momento residía en Inglaterra; sin embargo, algo salió mal y por error se fue directo a su red social.

La mujer, originaria del pueblo de Valkosel, en la ciudad de Túhovishta, al suroeste de Bulgaria, le pareció extraño que su esposo no respondiera a tan explícito video, por lo que investigó, hasta que se dio cuenta de la metida de pata, así que lo borró de su red social, pero tarde, pues el video ya había sido compartido. CRONICA

Sigue leyendo

Otros

Brangus aumentó hato ganadero y elevó genética mediante la implementación de la Inseminación Artificial y plan sanitario

Publicado

en

El aumento del hato ganadero Brangus y el mejoramiento genético, en los últimos 7 años, se lograron mediante la implementación de técnicas reproductivas como la inseminación artificial y la transferencia de embriones, además de un adecuado plan sanitario, explicó el Dr. Enrique López Moreira, presidente de la Comisión Técnica de la Asociación de Criadores de Brangus del Paraguay (ACBP).

Hace unos 5 o 7 años, de la población total del hato ganadero, la raza Brangus alcanzaba el 10%, a la fecha representa casi el 40%. Igualmente lidera el registro de animales por año según información proveída por la Asociación Rural del Paraguay.

El mejoramiento del ganado se acrecentó por medio de las bondades de la Inseminación Artificial y la Transferencia Embrionaria por Fertilización In Vitro, el uso de estas herramientas da lugar a que el productor tenga animales genéticamente superiores para el aumento del hato ganadero a tiempo y costo razonable.

En la actualidad, al menos el 60% de la producción ganadera Brangus es fruto de la utilización de tecnologías reproductivas.

López Moreira indicó que los trabajos de inseminación artificial y toda la técnica de mejoramiento genético tuvieron un cambio drástico, ya que en los últimos años aumentaron en cantidad y calidad. “Este procedimiento cuenta con muchos beneficios, siendo el más significativo el aspecto económico porque admite animales superiores, es decir, con alta producción y mejores kilos, puesto que se ha comprobado que los terneros obtenidos por medio de este procedimiento son superiores a los servicios logrados de forma natural; en este caso los kilos representan ganancias económicas”, explicó.

En cuanto a la técnica más recurrente entre los productores pecuarios, dijo que la balanza se inclina hacia la Inseminación Artificial a Tiempo Fijo y embriones, donde el procedimiento se da a través de la implementación de protocolos, permitiendo así inseminar un gran número de animales en un período corto. Igualmente otra técnica no menos importante es la Transferencia Embrionaria por Fertilización In Vitro, que consiste en introducir los embriones de mejor calidad en el útero materno.

El profesional reconoció que el mejoramiento genético, en gran parte, también se da por medio de la implementación de otras tecnologías y un correcto plan sanitario. La tasa de preñez viene creciendo con más fuerza en este tiempo, “es importante contar además con una pauta de manejo sanitario a nivel nacional como el caso de la brucelosis además de otras vacunaciones que ayudan a mejorar la fertilidad y la pérdida de preñez ya lograda”, aseguró.

Recomendó a los productores que “para el aprovechamiento genético es necesario preservar aspectos como la nutrición, sanidad y el manejo general de los animales en la cría para poder lograr la preñez, mientras que en invernada para obtener buenas ganancias de peso y rendimientos finales”.

Por último, el directivo de la Brangus Paraguay señaló que es fundamental para el aumento del hato ganadero la incorporación de genética, pautas de manejo sanitario y nutricional. “Afortunadamente estos aspectos están teniendo mayor peso y los productores no se muestran ajenos sino todo lo contrario, cada vez más firmes y decididos a elevar el hato ganadero”.

brangus

Sigue leyendo

Otros

Medallistas de Olimpiadas Especiales fueron recibidos por el presidente Abdo Benítez

Publicado

en

Asunción, IP.- Con 27 presas obtenidas en los Juegos Mundiales de Abu Dhabi, los atletas de Olimpiadas Especiales fueron recibidos pasada la medianoche por el presidente de la República, Mario Abdo Benítez y la ministra de Deportes, Fátima Morales, en el aeropuerto internacional Silvio Pettirossi.

La delegación paraguaya culminó su participación en los Juegos Mundiales de Abu Dhabi con 27 preseas conquistadas, 10 de Oro y Plata, y 7 de Bronce.

Los medallistas fueron recibidos en la principal estación área del país, por una numerosa comitiva encabezada por el presidente Abdo Benítez y la ministra Morales, así como los familiares de los atletas.

A través de su cuenta oficial en Twitter, la Secretaria Nacional de Deportes felicitó a los deportistas por su destacada participación en la cita mundialista. “Sentimos orgullo de esta delegación! #ElDeporteNosUne”, expresó la cartera de Estado en su tuit.

Los Juegos Mundiales de Verano se celebraron en Abu Dhabi, Emiratos Árabes Unidos, con la participación de 7.500 atletas de Olimpiadas Especiales. Paraguay estuvo representado por una delegación de 29 atletas que participaron a través de Olimpiadas Especiales Paraguay (OEP).

Sigue leyendo

Más popular