Conectate con nosotros

Otros

A rotação de culturas como solução de problemas atuais da Agricultura

Publicado

en

.

diversidade de espécies de plantas ao longo dos anos proporcionada pela rotação de culturas pode proporcionar várias melhorias nos atributos químicos, físicos e biológicos do solo.

A rotação de culturas proporciona, por exemplo, maior ciclagem de nutrientes, devido ao fato que as espécies vegetais possuem diferentes sistemas radiculares diferentes, de diferentes profundidades, com padrão de extração de nutrientes diferentes.

Desta forma, nutrientes que foram lixiviados e estão fora do alcance de sistemas radiculares fasciculados mais rasos são recuperados por sistemas pivotantes mais profundos e, após a morte destas plantas, ficam disponíveis na superfície do solo.

Além disso, algumas espécies vegetais atuam como adubos verdes, fixando o nitrogênio da atmosfera, como no caso das plantas da família botânica Fabaceae, ou hiperacumulando nutrientes na parte aérea.

Essas espécies vegetais utilizadas na adubação verde geralmente possuem uma relação carbono/nitrogênio muito baixa (menor que 40:1), favorecendo assim a decomposição mais rápida de seus resíduos e a liberação dos nutrientes no solo.

Ao contrário dos adubos verdes, as plantas utilizadas como cobertura do solo, principalmente as da família botânica Poaceae, possuem alta relação carbono/nitrogênio (acima de 40:1), resultando em maior duração da palhada na superfície do solo.

Uma boa cobertura do solo com resíduos de plantas é um dos pilares do Sistema Plantio Direto, pois protege o solo do impacto das gotas de chuva e da erosão, além de atuar na manutenção da umidade no solo e de temperaturas mais baixas na superfície do solo.

Portanto, ao intercalar plantas das famílias Fabaceae e Poaceae ao longo das safras em um sistema de rotação de culturas é possível aumentar não só a fertilidade química do solo, como também aumentar o teor de matéria orgânica no solo.

matéria orgânica do solo desempenha um papel fundamental na manutenção das funções do solo, dada a sua influência na estrutura e estabilidade do solo, na retenção de água, na biodiversidade e como fonte de nutrientes para as plantas.

Além disso, a matéria orgânica estimula o desenvolvimento de microrganismos benéficos no solo que vão não só disponibilizar nutrientes para as plantas cultivadas, como também podem atuar como agentes biológicos de controle de importantes pragas agrícolas.

Nesse sentido, a rotação de culturas pode reduzir a população de nematoides em uma área ao longo das safras, atuando basicamente em duas frentes: favorecendo o desenvolvimento de microrganismos que atuam como inimigos naturais e proporcionando plantas com baixo fator de reprodução de nematoides.

Plantas que possuem fator de reprodução maior que 1,0 são boas hospedeiras de nematoides, aumentando sua população no solo, enquanto plantas com fator de reprodução menor que 1,0 irão reduzir a população de nematoides na área.

Intercalar espécies vegetais hospedeiras e espécies não-hospedeiras, em conjunto com o aumento da matéria orgânica e da atividade microbiana do solo, é uma estratégia eficaz para manter a infestação de nematoides no solo dentro de níveis aceitáveis.

3. Os benefícios da rotação de culturas para o manejo fitossanitário

rotação de culturas

O manejo fitossanitário é, de longe, o item do custo de produção agrícola que mais encareceu ao longo dos anos, proporcionalmente aos outros itens.

Se em 2002 você perguntasse a um agricultor qual era o item mais caro do custo de produção ele com certeza lhe responderia que seria o fertilizante. Hoje, qualquer produtor rural irá lhe dizer que é o manejo fitossanitário.

E isso, infelizmente, não mudou por que os preços dos fertilizantes diminuíram, mas sim por que o custo com herbicidas e, principalmente, fungicidas e inseticidas aumentaram muito.

Em 2002, por exemplo, se você dissesse ao agricultor que o tratamento de sementes de soja deveria ter algum outro produto que não apenas inoculante, cobalto e molibdênio, que ele precisaria fazer aplicações de fungicidas no milho ou que os percevejos seriam uma praga-chave na cultura do milho, ele provavelmente daria risada e não te levaria a sério.

Hoje ninguém está rindo.

É preciso lembrar que, ao contrário dos países europeus ou norte-americanos, o Brasil não possui um inverno rigoroso que elimina plantas daninhas, pragas, patógenos e plantas hospedeiras.

Ao contrário, o clima brasileiro favorece o surgimento de um fenômeno chamado ponte verde, em que duas safras agrícolas e a vegetação espontânea do pousio multiplicam problemas fitossanitários o ano inteiro.

Plantas daninhas resistentes a herbicidas, novas doenças de plantas cultivadas, aumento da incidência de pragas agrícolas e perda da eficiência de herbicidas, fungicidas, inseticidas e de biotecnologias são apenas alguns dos problemas fitossanitários enfrentados atualmente pelos agricultores.

E todos esses problemas fitossanitários seriam ao menos minimizados se a rotação de culturas fosse adotada pelos agricultores brasileiros.

A alternância de culturas agrícolas favorece a rotação de ingredientes ativos e de mecanismos de ação, evitando assim a seleção de indivíduos resistentes aos principais herbicidas, fungicidas e inseticidas utilizados atualmente.

Pelo mesmo princípio, a rotação de culturas também poderia evitar a multiplicação de insetos resistentes às biotecnologias disponíveis atualmente no mercado, em conjunto com a adoção das áreas de refúgio.

E como nem todas as culturas agrícolas são hospedeiras dos mesmos patógenos, a rotação de culturas também contribui para a redução da incidência de doenças de plantas, desde que observada a alternância entre plantas hospedeiras e plantas não-hospedeiras.

4. Como fazer a rotação de culturas em sua propriedade rural

rotação de culturas

Nenhum dos fatos citados acima é completamente novo para os agricultores. De maneira geral, todos eles compreendem as vantagens técnicas da rotação de culturas.

A questão costuma ser financeira. E completamente equivocada.

Em primeiro lugar, por que não é necessário deixar de produzir culturas rentáveis para se adotar a rotação de culturas. Pelo menos, não em toda área.

Sim, por que a ideia que se tem sobre a rotação de culturas é que, para adotá-la, seria necessário deixar de cultivar culturas com maior rentabilidade, como a soja por exemplo, por uma safra.

Mas é possível dividir a propriedade rural em partes, e realizar a rotação de cultuas ao menos entre os talhões.

Uma propriedade rural pode ser dividida, por exemplo, em cinco partes, onde o cultivo da soja seria realizado no verão em 80? área e a rotação de culturas em 20%.

Na safra seguinte, os 20? área que não irão receber soja seriam diferentes da safra anterior, até que o sistema tenha rodado pelas cinco partes.

Entre os agricultores que têm conseguido implantar com sucesso um sistema de rotação de culturas, vale a pena destacar os resultados obtidos pelo Eng. Agr. José Eduardo de Macedo Soares Júnior da Fazenda Capuaba, em Lucas do Rio Verde-MT:

rotação de culturas

A Fazenda Capuaba não só conseguiu minimizar os graves problemas com nematoides com a rotação de culturas e a diversificação de espécies vegetais, como também construiu a fertilidade do solo e obteve reduções expressivas do custo de produção ao longo das safras.

Mas, infelizmente, não existe uma “receita-de-bolo” para a rotação de culturas. O sistema de rotação de culturas implantado com sucesso na Fazenda Capuaba pode não servir para a propriedade rural vizinha, que possui histórico da área diferente, problemas diferentes, maquinário diferente, equipe de colaboradores diferente, etc.

É preciso lembrar também que para fazer a rotação de culturas não basta apenas escolher culturas agrícolas diferentes.

Culturas agrícolas diferentes, mas da mesma família botânica, com os mesmos problemas fitossanitários, com o mesmo padrão de extração e exportação de nutrientes, pouco colaboram para o sucesso do sistema de produção agrícola.

O planejamento da rotação de culturas precisa ser realizado de modo a rotacionar também famílias botânicas, sistemas radiculares, ciclagem de nutrientes, adubos verdes e espécies formadoras de palhada, problemas fitossanitários, multiplicação de nematoides, entre os vários outros fatores abordados neste artigo.

Além disso, os efeitos da rotação de culturas podem ser potencializados com a utilização de consórcios ou integração de culturas, com duas ou mais espécies vegetais simultaneamente em uma mesma área.

Por fim, o segundo grande equívoco cometido por aqueles que possuem resistência à adoção da rotação de culturas é a cultura do imediatismo, em que os resultados são analisados apenas por safra, e não no contexto ao longo das safras.

Uma eventual frustração de receitas devido a uma menor área com soja pode ser compensada com o menor custo de produção ou com a maior produtividade (ou com ambos) na(s) safra(s) seguinte(s).

Desta forma, apenas a análise econômica ao longo das safras irá conseguir mensurar esses benefícios.

Fonte: Instituto Agro

Sigue leyendo
Comentarios

Otros

Chortitzer, la piedra angular del desarrollo chaqueño

Publicado

en

La Cooperativa Chortitzer, gran impulsora del desarrollo chaqueño, es uno de los más importantes promotores de la Expo Pioneros, donde se expondrán nuevas herramientas, tecnologías y conocimientos para el desarrollo sustentable del Chaco paraguayo, que aún tiene mucho potencial para crecer.

Chortitzer, miembro de Pioneros del Chaco S.A., viene acompañando el desarrollo de la exposición, buscando que este espacio sea propicio para sostener y ampliar la capacidad de producción de leche y carne en el ámbito ganadero y consolidar las intenciones de avance de la agricultura en suelo chaqueño.

Contribuir con la agroindustrialización de los productos primarios es una tarea cotidiana de la institución que nuclea a más de 4650 socios en la actualidad.

La cooperativa, constituida formalmente en el año 1962, ha tenido, tiene y tendrá a su cargo el fomento del desarrollo socioeconómico de sus socios, pues les brinda todos los servicios en los sectores de producción, procesamiento y venta de productos en el mercado local, nacional e internacional.

La Cooperativa Chortitzer Ltda. cuenta con una amplia gama de servicios entre los que podemos citar: la oficina de crédito de desarrollo, supermercados, compra y venta de animales, importación y exportación, fábrica de balanceados, planta láctea y frigorífico, talleres y tambos.

A través de dos de sus líneas de productos de reconocimiento nacional e internacional, como Lácteos Trebol y FrigoChorti, ha logrado integrarse a la vida cotidiana de los consumidores, suministrando el alimento de alta calidad para niños y adultos.

Chortitzer, a través de FrigoChorti acompañará las actividades desarrolladas en el renglón ganadero de la muestra más importante del Chaco sudamericano como auspiciante oficial.

De esta forma, agradecemos a la Cooperativa Chortitzer por acompañar incondicionalmente, pese a las adversidades, esta segunda edición de la Expo Pioneros, que se desarrollará del 29 de mayo al 1 de junio, en el predio de Pioneros del Chaco S.A., ubicado sobre ruta Línea 10 (Bioceánica), Loma Plata, Boquerón.

Sigue leyendo

Otros

Itaipu aprueba invertir US$ 35 millones en obras complementarias del segundo puente

Publicado

en

Asunción, IP.- La Itaipu Binacional anunció su decisión de financiar, por valor de 35 millones de dólares, parte de las obras complementarias del «Puente de la Integración» que unirá la ciudad de Presidente Franco con Foz de Iguazú. La decisión fue aprobada recientemente por el Consejo y Directorio de la Binacional.

Las obras complementarias que financiará la Itaipu se realizarán en territorio paraguayo. Las mismas incluyen 33 kilómetros de carretera para empalme con la Ruta 7 y dos puentes sobre el Monday, además de accesos urbanos.

Asimismo, el proyecto requiere obras civiles en Aduanas y Área de Control Integrado de Carga, según estudio de factibilidad realizado por el Ministerio de Obras Públicas (MOPC).

Estos trabajos estarán a cargo de empresas constructoras nacionales, por lo que contribuirá con el plan del Gobierno de dinamizar la economía nacional. El segundo puente con Brasil sobre el Paraná y sus obras complementarias generarán un importante dinamismo económico en la zona fronteriza y en el país. Se prevé que estas inversiones propicien la creación de más de 1.000 puestos de trabajo para los paraguayos.

La inversión total requerida en obras viales y civiles ronda los 150 millones de dólares. El financiamiento estará a cargo del Estado paraguayo y de Itaipu.

La Itaipu destaca que por primera vez, en 45 años de su existencia, la Binacional ha decidido construir dos puentes internacionales y está priorizando obras de infraestructura de gran envergadura, sin alterar su presupuesto ni la tarifa y que tendrá un importante impacto en el desarrollo del país.

Igualmente informa que la segunda pasarela internacional entre Paraguay y Brasil sobre el río Paraná está en plena fase de inicio de construcción, con el financiamiento de la Entidad Binacional, así como también se ha decidido construir otro puente similar que unirá Carmelo Peralta con Puerto Murtinho.

Conexión bioceánica

Además de las inversiones para conectar Presidente Franco con Foz de Yguazú, Itaipu también decidió construir otro puente internacional, que unirá Carmelo Peralta con Puerto Murtinho, sobre el río Paraguay.

El director general paraguayo, José Alberto Alderete, acordó con autoridades brasileñas de la zona de Matto Grosso do Sul, acelerar los procesos para hacer realidad el puente que permitirá la conexión terrestre entre el Atlántico y el Pacífico.

La construcción del Puente de la Integración está a cargo de consorcio brasileño pero las obras complementarias la llevarán adelante empresas paraguayas, en tanto que el Puente Bioceánico estará exclusivamente a cargo de empresas paraguayas con mano de obra nacional, como parte de una distribución equitativa de los trabajos entre los propietarios del emprendimiento hidroeléctrico.

Sigue leyendo

Otros

Paraguay amplía su base de previsibilidad para mayor competitividad, afirmó presidente del BCP

Publicado

en

Asunción, IP.- El presidente del Banco Central del Paraguay (BCP), José Cantero, afirmó que el país está ampliando su base de previsibilidad macroeconómica hacia la “seguridad física” y la independencia de instituciones del Estado, que repercute en propiciar la estabilidad y la competitividad.

Cantero se refirió a la lucha contra el crimen organizado como una pieza fundamental para mantener un ambiente de negocios estable, tanto para inversiones nacionales como internacionales.

Señaló que estos cambios probablemente no serán evidentes en el corto plazo, pero el Paraguay está emprendiendo un camino que va a significar una plataforma más amplia de estabilidad, previsibilidad y mayor inmunidad a situaciones regionales y contextuales, dijo este viernes en el espacio #PyEn15.

“Esto va a permitir que las inversiones tengan mayor certeza y previsibilidad y que la actividad económica se pueda desarrollar de forma tranquila, lo que hace a la competitividad”, manifestó.

El presidente de la banca central agregó que el Paraguay cuenta con una política monetaria estable y una disciplina fiscal que permite al país navegar “de manera razonable y sólida” la “volatilidad regional y el contexto”, con la situación de desaceleración y choques internos como las sequías y dificultades del clima.

El BCP, por su parte, cuenta con un atributo muy importante que es la independencia, con una orientación enfocada en lograr los objetivos de inflación y un sistema bancario y financiero transparente y competitivo.

Sobre aumentar la competitividad para el crecimiento económico, Cantero puntualizó que desde el Gobierno se han presentado tres proyectos de leyes, que ayudarán a atraer inversiones domésticas y extranjeras. Estas leyes corresponden a la creación de sociedades simplificadas, para la facilidad en la apertura de pequeñas empresas; de garantías mobiliarias para el acceso a créditos de Mipymes, y una reforma a la ley de quiebras para agilizar este proceso.

Sigue leyendo

Más popular