Conectate con nosotros

Notas

Vírus não está controlado nem pandemia vencida, alerta OMS

Publicado

en

Maria Van Kerkhove lamentou também que em algumas cidades estejam saturadas as unidades de cuidados intensivos e hospitais, com pessoas morrendo, «enquanto nas ruas as pessoas se comportam como se (a epidemia) tivesse acabado completamente»

De acordo com a responsável, 3,1 milhões de novas infecções e 54.000 mortes foram relatadas em todo o mundo na semana passada, com os números reais a serem provavelmente muito superiores.

«A situação é ainda incrivelmente dinâmica. E é dinâmica porque não temos controle sobre este vírus», disse a epidemiologista norte-americana numa conversa ao vivo nas redes sociais da OMS.

E acrescentou: «Ainda não estamos fora de perigo. Estamos completamente no meio desta pandemia. Mas onde no meio … ainda não sabemos, porque francamente não estamos a utilizar as ferramentas que temos neste momento para nos aproximarmos do fim».

Maria Van Kerkhove lamentou também que em algumas cidades estejam saturadas as unidades de cuidados intensivos e hospitais, com pessoas morrendo, «enquanto nas ruas as pessoas se comportam como se (a epidemia) tivesse acabado completamente».

A responsável ressaltou também que as mortes ocorreram em grande parte entre as pessoas que não foram vacinadas.

Segundo os dados fornecidos pelos países que dão informações à OMS «a taxa de hospitalização e de mortes é de longe» mais elevada «entre os que não foram vacinados», disse.

Maria Van Kerkhove também lamentou a desinformação e as ideias falsas que circulam na internet sobre a covid-19, acrescentando: «o resultado é que as pessoas estão a morrer. Não podemos dourar isso».

A OMS está estudando como a pandemia pode evoluir nos próximos três a 18 meses. A responsável disse que ainda há bolsas de pessoas que não estão vacinadas, ou por falta de acesso a vacinas, ou porque se recusam ser vacinadas, e ainda podem vir a surgir surtos epidêmicos.

E frisou que o vírus veio para ficar. «A possibilidade de erradicar o vírus, ou mesmo de o eliminar a nível global, perdeu-se desde o início. Perdeu-se porque, a nível global, não atacamos este vírus tão vigorosamente quanto poderíamos», lamentou.

A covid-19 provocou pelo menos 4.805.049 mortes em todo o mundo, entre mais de 235,30 milhões infecções pelo novo coronavírus registradas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Press.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Sigue leyendo
Anuncio

Tendencias