Conectate con nosotros

Locales

Violência de guerrilheiros destrói famílias e cidades no norte do Paraguai

Publicado

en

saltodelguairaaldia.com Portal de Noticias de Salto del Guairá

Para promover uma revolução socialista e fazer uma reforma agrária, o Exército do Povo Paraguaio deixa um rastro de horror e miséria por onde passa.
858_governo_paraguaio_oferece_recompensa_pelos_guerrilheiros_do_epp
CAÇA AO EPP Na cidade de Horqueta, no norte do Paraguai, um cartaz do governo paraguaio oferece recompensas pela prisão de 26 guerrilheiros do EPP (Foto: Rogério Cassimiro)
A vida da família Fick, brasileiros radicados no Paraguai há 30 anos, entrou num ciclo de espera e tormento desde que o caçula Arlan Fick, de 17 anos, foi sequestrado em 2 de abril por guerrilheiros de extrema esquerda integrantes do Exército do Povo Paraguaio – como mostra a reportagem publicada na edição de 10 de novembro de ÉPOCA. Mas a ação violenta da guerrilha, que atua sob o discurso da reforma agrária e o combate direto de ricos e fazendeiros no norte do Paraguai, remonta à década de 1990. Para combater a democracia que chamam de “burguesa-imperial”, o EPP promove o terror por meio de sequestros e combate as forças militares paraguaias com armamento militar – adquirido no mercado negro e sob a tutela das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, a quem o EPP deve muito de sua perícia para mover-se pelas sombras e por uma área majoritariamente pobre e rural.
>>Brasileiros na mira do terror no Paraguai
Esse passado violento deixou marcas na população paraguaia. Arruinou, por exemplo, a vida de Victor Mierez, policial paraguaio que ficou tetraplégico num atentado a bomba em 2009, então com 24 anos. Sua família dedica a vida a ajudá-lo a recobrar os movimentos. “Enquanto a vida, há esperança”, diz a sobrinha dele, Lety. Ou contribuiu para a bancarrota do município de Tacuatí, permeado por estradas de terras, com 8.500 habitantes – quase todos pobres. No ano passado, o empresário Luis Alberto Lindstrom foi assassinado numa emboscada atribuída ao EPP. Ele foi sequestrado pelo EPP em 2008, e após pagar US$ 142 mil, foi liberado. Seu desejo de continuar tocando os negócios da família, como uma madeireira na região, contribuiu para sua morte. O EPP combate empresários ricos que desmatem florestas (mesmo que haja reposição florestal), cultivem grãos ou criem gado. Com sua morte, a família fechou a madeireira. E 500 camponeses ficaram sem emprego. Entre eles, a família de Mônica Alegre. “Olhe em sua volta, não há nada”, diz Mônica Alegre, mãe solteira de cinco filhos, vendedora de água de poço, enquanto aponta o casebre de madeira onde mora, sem qualquer estrutura básica ou saneamento.EPOCA

Sigue leyendo
Anuncio

Tendencias