Conectate con nosotros

Internacionales

Estudiantes de todo el mundo salen a la calle contra el cambio climático

Publicado

en

Montreal, Canadá | AFP. Por Clément SABOURIN, con Anna PELEGRI en París

De Australia a Canadá y Estados Unidos, pasando por Europa y América Latina, cientos de miles de jóvenes abandonaron el viernes las aulas y salieron a las calles a exigir medidas decisivas contra el calentamiento global y señalar a los líderes mundiales.

El movimiento se dio en los cinco continentes y en cientos de ciudades, respondiendo a un llamado de la adolescente sueca Greta Thunberg para denunciar la inacción de los gobiernos.

Centenares de estudiantes secundaron a Thunberg, convertida en símbolo de este movimiento, frente al Parlamento de Estocolmo, donde la joven se ha venido plantando cada viernes en solitario desde hace varios meses para exigir a su gobierno que cumpla con el Acuerdo de París de 2015.

«No soy el origen de este movimiento. Ya estaba allí. Solo requería una chispa para encenderse», dijo Thunberg, mientras un manifestante agitaba una pancarta con un juego de palabras en alusión a su compañera, propuesta esta semana para el Premio Nobel de la Paz: «Make the planet Greta again».

Las multitudes más impresionantes se vieron en Sidney, Berlín, Bruselas, Londres, Madrid y Montreal, ciudad donde participaron alrededor de 150.000 estudiantes según un organizador.

Pero también contó con presencia en América Latina.

Unos 5.000 jóvenes chilenos participaron de la movilización en la capital, Santiago. «No hay tiempo», «No hay planeta B» fueron algunas de las consignas más repetidas de la marcha, que copó varias cuadras de la principal avenida de la ciudad a ritmo de tambores y en medio de un clima festivo.

En Argentina, alrededor de un millar de jóvenes se congregaron frente al Congreso Nacional en Buenos Aires para unirse al movimiento mundial que reclama acciones urgentes que contrarresten el cambio climático.

«Menos soja, más árboles», «el cambio climático no es ‘fake news'» o «Si el presente es de lucha, el futuro es nuestro”, fueron alguna de las pancartas que portaron los jóvenes en una manifestación pacífica.

«Queremos que el tema se ponga en la agenda política en este año electoral», dijo a la AFP Nicole Becker, de 19 años, al recordar que Argentina tendrá elecciones presidenciales el 26 de octubre.

En Bogotá, en cambio, medio centenar de personas protestaron en la Plaza de Bolívar, en el corazón político de Colombia.

La mayoría mostró su decepción por la poca acogida de la convocatoria, aunque en la noche está previsto un nuevo encuentro. «Me sorprendió muchísimo que en una ciudad de más de ocho millones de habitantes, haya menos de cien personas. Pero pues eso también da un mensaje de que somos muy pocos los que estamos queriendo hacer cosas y creo que hay que salir más a las calles», dijo a la AFP Tatiana Unzaga, una estudiante de 30 años.

“No hay planeta B”
“¡123 países!” , tuiteó Thunberg de 16 años e ícono del movimiento.

Nueva Zelanda fue el punto de partida, con manifestaciones de centenares de estudiantes, incluso en Christchurch, donde el sangriento atentado contra dos mezquitas llevó a la policía a acordonar el centro de la ciudad.

«Están destruyendo nuestro futuro», «No hay un planeta B», rezaban algunas de las pancartas. La consigna más repetida fue: «Si ustedes no actúan como adultos, nosotros lo haremos».

En Nueva York, miles de estudiantes de secundaria reclamaron al presidente Donald Trump y a legisladores acciones urgentes para frenar el calentamiento global, parte de una enorme protesta estudiantil internacional.

«Más tarde será demasiado tarde», leía uno de los cientos de carteles alzados por los adolescentes y preadolescentes que marcharon a lo largo de la avenida Central Park West antes de reunirse frente al museo de Historia Natural.

El presidente Trump niega el calentamiento climático y retiró a Estados Unidos del Acuerdo de París que busca frenar el alza de la temperatura del planeta.

En Delhi, Shagun Kumari, de 13 años, denunció que sus «ojos sufren por la contaminación». «Quiero un aire que no afecte mis pulmones y agua limpia que no me haga enfermar».

En París, entre 29.000 jóvenes, según la policía, y 40.000, según los organizadores, desfilaron entre los monumentos del Panteón y los Inválidos. «Y uno y dos y tres grados es un crimen contra la humanidad», se leía en algunos carteles.

Decenas de miles
En Bruselas, donde el movimiento estudiantil ha venido manifestándose durante semanas, se congregaron 30.000 personas, según la policía, mientras que en Berlín, fueron entre 15.000 y 20.000.

En Londres, 20.000 jóvenes marcharon desde Downing Street hasta el Palacio de Buckingham, frente al cual algunos se encaramaron a una estatua gigante.

En España, Madrid fue escenario de una marcha de unos 4.500 jóvenes, según la policía, donde se denunció que «Hay más plástico que sentido común».

«Dicen que somos el futuro, pero los jóvenes somos el presente, si no actuamos ahora no lo haremos nunca», afirmó a la AFP Rosalía González, una estudiante de Psicología de 19 años.

Muchos jóvenes tampoco acudieron a clase en Uganda, un país que «sufre deslaves, inundaciones, donde la gente muere debido al cambio climático», denunció a la AFP Leah Namugera, de 14 años, durante una protesta en la concurrida carretera entre Kampala y Entebbe.

Algunos responsables trataron en varias ciudades de persuadir a sus estudiantes de no hacer huelga, fracasando en su mayoría.

En Nueva Zelanda, las escuelas advirtieron que marcarían la ausencia de los estudiantes que faltaran a clase.

En Australia el ministro de Educación, Dan Tehan, también cuestionó las protestas en las que participaron 50.000 estudiantes según organizadores.

Pero los activistas recibieron el apoyo de la primera ministra neozelandesa, Jacinda Ardern.

Sigue leyendo
Comentarios

Internacionales

O que se sabe sobre a GlobalCoin, criptomoeda que o Facebook quer lançar em 2020

Publicado

en

O Facebook está finalizando o projeto de lançar no primeiro bimestre de 2020 sua própria criptomoeda, um dos pilares de um sistema de pagamentos digitais que funcionaria em uma dezena de países.

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, teve encontro sobre criptomoeda com o dirigente do banco central do Reino Unido. (Fotos: BBC)

A empresa, que deve dar mais detalhes nos próximos meses, pretende testar a GlobalCoin ainda neste ano.

No mês passado, o fundador da empresa, Mark Zuckerberg, se encontrou com Mark Carney, dirigente do Banco Central do Reino Unido, para falar sobre as oportunidades e os riscos que envolvem o lançamento de uma criptomoeda.

Além disso, a empresa pediu conselhos ao Tesouro americano, sobre questões operacionais e regulatórias de oficiais, e a companhias de transferência de dinheiro, como Western Union, em busca de maneiras fáceis e baratas para pessoas sem contas bancárias mandarem e receberem dinheiro.

Como funcionará a criptomoeda do Facebook?

O Facebook, que reúne mais de 2 bilhões de perfis no mundo, quer seu sistema de pagamentos com moeda digital sirva para usuários que também não tenham conta bancária.

A empresa, dona também do WhatsApp e do Instagram, busca quebrar barreiras financeiras, competir com bancos e reduzir custos de consumidores.

O projeto, apelidado de Libra, foi noticiado pela primeira vez em dezembro passado.

O Facebook também estaria negociando com comerciantes online para que aceitem a moeda como pagamento em troca de taxas de transação mais baixas.

O que é uma criptomoeda?

Moedas virtuais podem ser usada para pagar por coisas na vida real, como um quarto de hotel, comida ou até uma casa.

Elas são armazenadas em carteiras e podem ser enviadas de forma anônima entre usuários.

Criptomoedas são rodadas com a tecnologia blockchain, que usa blocos de informação, como acordos ou transações, a serem armazenados em uma rede de computadores.

A informação é armazenada cronologicamente, pode ser vista por uma comunidade de usuários, e normalmente não é administrada por uma autoridade central como um banco ou um governo.

O conceito foi criado para garantir segurança e anonimato aos usuários, prevenindo adulteração ou sequestro da rede.

Por que a criptomoeda do Facebook gera preocupações?

O Facebook tem sido criticado pelo modo com administra e preserva as informações pessoais de usuários, e por isso reguladores devem examinar de perto o lançamento de uma criptomoeda da empresa.

No início do mês, o Senado americano escreveu uma carta aberta a Zuckerberg perguntando como que a moeda funcionará, que proteção será oferecida ao consumidor e como será a proteção das informações.

Mark Zuckerberg

Empresa já tentou criar moeda virtual há uma década

O Facebook também debateu o processo de checagem de identidade e como reduzir os riscos de lavagem de dinheiro com o Tesouro americano.

Estima-se que o Facebook e seus parceiros queiram prevenir grandes flutuações cambiais atrelando a moeda a câmbios estabelecidos, como o dólar americano, o euro e o iene japonês.

Empreitada anterior da empresa não vingou

Não é a primeira vez que o Facebook tenta aproveitar a onda das moedas digitais. Há uma década, a empresa criou o Facebook Credits, moeda virtual que permitia aos usuários comprar itens em aplicativos na rede social.

Mas a companhia acabou com o projeto há dois anos depois que afundou.

Na nova empreitada, a empresa terá que navegar também uma míriade de regulações nos países em que quer entrar. Um deles é a Índia, que recentemente refreou o segmento de moedas digitais.

As conversas estão na fase inicial com governos, bancos centrais e reguladores, e pessoas que acompanham o processo admitem que lançar qualquer criptomoeda até o começo do ano que vem é uma meta ambiciosa.

Procurados, Facebook, Western Union e o Banco da Inglaterra não quiseram comentar o assunto.

Acesso a dados financeiros

A maior atração das moedas digitais para bancos e grandes empresas é a tecnologia por trás delas.

A tecnologia blockchain pode ajudar a reduzir o tempo e o custo de mandar dinheiro através de fronteiras ultrapassando redes bancárias.

O especialista David Gerard disse que o Facebook teria acesso a informações valiosas sobre gastos criando seu próprio sistema de pagamento.

No entanto, ele questionou por que a gigante rede social precisaria de sua própria criptomoeda para guardar os dados. Ele disse que, em vez disso, o Facebook poderia criar uma plataforma como o PayPal, que permite a usuários transferirem moedas tradicionais.

Criptomoedas são vulneráveis a flutuações de valor, que, segundo Gerard, pode criar uma barreira para o sucesso da GlobalCoin do Facebook.

«Pessoas normais não querem lidar com uma moeda que está subindo e descendo o tempo todo», ele explicou.

Mas Garrick Hileman, um pesquisador da London School of Economics, disse que o projeto pode ser um dos eventos mais significativos na curta história de criptomoedas.

Ele faz uma estimativa conservadora: 30 milhões de pessoas usam criptomoedas hoje.

Fonte: BBC Brasil

Sigue leyendo

Internacionales

Scania anuncia investimento de R$ 1,4 bilhão no Brasil

Publicado

en

As oscilações de humor do mercado acerca da política e da economia brasileira parecem passar longe da indústria automotiva. Nesta terça-feira (21), a Scania anunciou um programa de investimentos de 1,4 bilhão de reais de 2021 a 2024, além de um aporte extra de 75 milhões de reais que começam a ser aplicados imediatamente em um novo centro de pesquisa e desenvolvimento em São Bernardo do Campo (SP).

“Não esperamos um grande ciclo de investimentos para modernizar os produtos e a nossa fábrica. Precisamos ter uma evolução constante”, afirma o diretor de relações institucionais da Scania na América Latina, Gustavo Bonini.

O anúncio da marca de caminhões e ônibus, que está há mais de 60 anos no País, vem em um momento que outras montadoras também estão apostando suas fichas por aqui. Recentemente, a General Motors anunciou um aporte de 10 bilhões de reais em suas plantas no Estado de São Paulo. A Honda também divulgou aporte de 500 milhões de reais em seu parque fabril de motos na Zona Franca de Manaus. Ainda no primeiro trimestre, a Hyundai anunciou aporte de 125 milhões de reais para aumento de capacidade na planta de Piracicaba (SP). Um ponto fora da curva, neste cenário, é a Ford, que anunciou que fechará sua fábrica de caminhões em São Bernardo do Campo como parte de uma estratégia de deixar o negócio de veículos pesados.

Para Bonini, o investimento da Scania no Brasil visa longo prazo. O foco, segundo ele, é principalmente o desenvolvimento de produtos com combustíveis alternativos. “Estamos estudando e desenvolvendo todos os tipos de tendências, passando pelo gás natural, híbridos, elétricos, entre outros”, acrescenta. Segundo ele, um programa de investimentos da ordem de 2,6 bilhões de reais ainda está em curso no País e vai até 2020.

O diretor da Scania salienta que, hoje, o complexo industrial da empresa no ABC Paulista é modular, ou seja, a manufatura depende da chegada do pedido à linha. “Além de produtos customizados, isso nos deu flexibilidade principalmente durante a crise dos últimos anos, quando contratamos 1.200 funcionários”, destaca. Hoje, a unidade conta com 4.500 funcionários.

Com grande foco, atualmente, nas exportações, a montadora encerrou 2018 com 65% a 70% da produção voltada às vendas externas. “Claro que a crise na Argentina, que é um importante mercado para nós, nos afetou. Mas temos conseguido compensar essa retração. Nosso perfil continua exportador”, garante Bonini. No Brasil, a montadora informa ter 20,9% de market share na categoria de caminhões pesados, uma das mais disputadas localmente. EXAME

Sigue leyendo

Internacionales

Papa nomeia mulheres para cargos-chave no Vaticano pela primeira vez

Publicado

en

O Papa Francisco nomeou quatro mulheres como consultoras na secretaria-geral do Sínodo dos Bispos, considerado um departamento chave no Vaticano, nesta sexta-feira (24). É a primeira vez que mulheres ocupam este cargo na Igreja Católica, informou a Santa Sé, desde que o sínodo foi fundado, há mais de 50 anos.

O Sínodo é uma assembleia de bispos que representam o conjunto de todos os bispos da Igreja Católica e tem a missão de ajudar o Papa no governo da Igreja. Ele também pode oferecer orientações sobre a doutrina católica que podem ser transformadas em lei pelo pontífice. Foi estabelecido em 1965 pelo Papa Paulo VI.

Três freiras e uma mulher não ordenada na Igreja foram nomeadas para a secretaria-geral, uma instituição permanente vaticana que se encarrega de preparar a assembleia do Sínodo e de aplicar suas conclusões.

«É uma ótima notícia, porque, até agora, não havia estruturas para as mulheres terem influência nos sínodos enquanto estão sendo preparados», disse à Reuters Zuzanna Fliosowska, gerente geral do Voices of Faith, um grupo de defesa internacional que promove um papel maior para as mulheres na Igreja.

A próxima reunião do grupo, marcada para outubro deste ano, vai discutir as necessidades da Igreja na região da Amazônia – como, por exemplo, a escassez extrema de padres, diz a Reuters.

Duas das quatro nomeadas são italianas – a irmã Alessandra Smerilli, professora de economia, e Cecilia Costa, professora de sociologia. As outras são a Irmã Maria Luisa Berzosa Gonzalez, da Espanha, e a Irmã Nathalie Becquart, da França.

Além delas, foram nomeados dois consultores homens: os reverendos Giacomo Costa e Rossano Sala.

G1

Sigue leyendo

Más popular