Conectate con nosotros

Internacionales

Estresse eleva risco de hipertensão, AVC e de ataque cardíaco

Publicado

en

O aumento progressivo do hormônio do estresse cortisol, aumenta igualmente a possibilidade de sofrer um AVC, ataque cardíaco ou doença cardíaca, refere a pesquisa divulgada no Circulation, o jornal da Associação Americana do Coração (AHA). 

Segundo o cardiologista Glenn Levine, professor de medicina do Baylor College of Medicine em Houston, nos Estados Unidos, trata-se de mais um estudo que reflete a ligação entre a mente e a saúde cardiovascular dos seres humanos. 

«Estresse, depressão, frustração, raiva e uma visão negativa da vida não só nos tornam pessoas infelizes, mas têm um impacto negativo na nossa saúde e longevidade», explicou Levine, que presidiu a declaração científica da AHA acerca da relação entre o bem-estar mental e as doenças cardíacas.

«Ao desenvolver a declaração da AHA, analisamos todos os dados que pudemos encontrar e concluímos que fatores negativos de saúde psicológica, como estresse, estavam claramente associados a muitos fatores de risco cardiovascular», destacou o especialista.

O novo estudo acompanhou 412 adultos, entre os 48 e 87 anos que apresentavam uma pressão arterial normal, medindo os níveis dos hormônios na urina em múltiplas ocasiões de 2005 a 2018.

Esses níveis hormonais foram comparados a quaisquer eventos cardiovasculares que possam ter ocorrido, como hipertensão, dores no coração e ataques cardíacos. 

No decorrer da pesquisa, explica a CNN, os cientistas avaliaram três hormônios, a norepinefrina, epinefrina e dopamina – responsáveis por regularem o sistema nervoso autônomo e por controlarem funções involuntárias do corpo, nomeadamente a frequência cardíaca, pressão arterial e respiração.

Foram também analisados os índices de cortisol, um hormônio esteroide que é expelido pelo organismo como reação a situações de estresse agudo, como por exemplo de perigo.

Quando o perigo passa, o corpo diminui consequentemente a produção de cortisol, porém se um indivíduo permanece continuamente estressado, os valores de cortisol podem persistir extremamente elevados.

«Norepinefrina, epinefrina, dopamina e cortisol podem aumentar com o estresse de eventos da vida, trabalho, relacionamentos, finanças e muito mais», disse Inoue.

Duplicar somente os níveis de cortisol, mas não de norepinefrina, epinefrina ou dopamina, foi associado a uma chance 90% superior de experienciar um episódio cardiovascular, constatou o estudo. Sendo que cada vez que os níveis combinados das quatro hormônios do estresse duplicaram, o risco de desenvolver hipertensão subiu de 21% a 31%.

Os investigadores destacaram ainda que preocupantemente o efeito foi mais pronunciado em pessoas com menos de 60 anos. 

«Nesse contexto, os nossos resultados geram a hipótese de que os hormônios do estresse desempenham um papel crítico na patogénese da hipertensão entre a população mais jovem», disseram os investigadores. 

Sigue leyendo
Anuncio

Tendencias