Conectate con nosotros

Internacionales

Coronavírus: os sintomas e 10 dicas para prevenir contágio

Publicado

en

A infeção consequente pode se assemelhar a uma gripe comum ou manifestar-se como uma patologia mais grave, como pneumonia

Os coronavírus são uma família de vírus capazes de adoecer gravemente o ser humano. A infeção pode ser semelhante a uma gripe comum ou apresentar-se como doença mais grave, como pneumonia. 

A nova estirpe de coronavírus (2019-nCoV), foi identificado em 7 de janeiro de 2020, na China, surgindo na sequência de, a 31 de dezembro de 2019, a China ter reportado à Organização Mundial da Saúde (OMS) vários casos de doentes com pneumonia de causa desconhecida em trabalhadores e frequentadores do mercado de peixe, mariscos vivos e aves na cidade de Wuhan, província de Hubei.

Como se transmite o coronavírus?

A identificação de doentes que frequentaram o mercado de Wuhan pressupõe que a transmissão possa ter ocorrido a partir do contato com animais. Apesar, de ainda ser desconhecido o reservatório do vírus, sabe-se que existe sim transmissão de pessoa para pessoa. 

Os sintomas

Na maioria das vezes os sintomas apontados por doentes infectados com o 2019-nCoV incluem febre, tosse e falta de ar. As complicações como pneumonia e bronquite têm surgido sobretudo em doentes idosos ou com outras doenças crônicas que enfraquecem o sistema imunológico.

A maioria dos doentes identificados até à data estiveram em Wuhan, na província de Hubei, na China ou tiveram contato direto com pessoas doentes provenientes dessa área.

O Centro de Prevenção e Controlo das Doenças (CDC), nos Estados Unidos, afirma que o tempo de incubação do vírus varia entre dois a 14 dias.

Como prevenir?

Não existe vacina, pelo que a prevenção passa por evitar a exposição a este vírus.

De momento não existem limitações de viagens. No entanto as recomendações de prevenção são as habituais para os viajantes.

Os viajantes que chegam de Wuhan, província de Hubei, China, há menos de 14 dias, e que apresentem sinais e sintomas de infecção respiratória aguda, com febre, tosse e dispneia e nenhuma outra causa que explique a sintomatologia devem:

1. Entrar em contato com o SUS ou sistema privado médico, informando sempre o histórico de viagens, e/ou contato com animais e/ou pessoas doentes, seguindo as orientações que lhes forem dadas;

2. Manter restrição social;

3. Lavar frequentemente as mãos com água e sabão;

4. Adotar medidas de etiqueta respiratória – tapar o nariz e boca quando espirrar ou tossir (com lenço de papel ou com o braço, nunca com as mãos);

5. Jogar o lenço de papel no lixo e lavar as mãos logo de seguida

6. Utilizar máscara cirúrgica, se a sua condição clínica o permitir

Os viajantes que forem para uma área afetada devem:

7. Evitar o contato próximo com doentes com infecções respiratórias agudas;

8. Lavar as mãos frequentemente com água e sabão ou com uma solução de base alcoólica, especialmente após contato com uma pessoa infectada ou partilha do seu espaço;

9. Evitar o contato com animais;

10. Evitar o consumo de produtos de origem animal, crus ou mal passados.

Há tratamento?

Até ao momento os cientistas ainda não foram capazes de formular um tratamento específico para aniquilar o vírus. O tratamento é sintomático e de suporte de órgãos, de acordo com a gravidade dos casos.

Os antibióticos não são adequados para infecções virais. Os antivirais com que se tratam atualmente as pneumonias causadas pelo vírus da gripe não são adequados para o Coronavírus.

Sigue leyendo
Anuncio

Tendencias