Conectate con nosotros

Internacionales

Após explosão de muro, presos fogem de penitenciária do Paraná

Publicado

en

saltodelguairaaldia.com Portal de Noticias de Salto del Guairá

Explosão ocorreu pelo lado de fora, neste domingo (15), segundo o Depen.
Polícia Militar (PM) reagiu, e duas pessoas morreram na fuga.

Presos da Penitenciária Estadual de Piraquara I (PEP I), na Região Metropolitana de Curitiba, fugiram na madrugada deste domingo (15), após uma explosão que abriu um buraco em um dos muros da unidade. Vinte e oito detentos detentos escaparam – dois foram mortos na fuga.
Inicialmente, o Departamento Penitenciário do Estado do Paraná (Depen) havia informado que 23 presos tinham fugido. Porém, mais tarde, a Secretaria da Segurança Pública e Administração
Armamento apreendido pela polícia na PEP I (Foto: Divulgação / Sesp-PR)
Um helicóptero da Polícia Militar (PM) sobrevoou a região, e equipes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) abordaram veículos suspeitos no Contorno Leste, na BR-116. Segundo a PRF, houve troca de tiros próximo à rodovia, que chegou a ser bloqueada por 15 minutos por volta das 9h30.
O diretor do Depen, delegado Luiz Alberto Cartaxo Moura, afirmou que presos da Casa de Custódia de Piraquara iniciaram um tumulto, chamando a atenção da PM e dos agentes penitenciários. Enquanto isso, um grupo explodiu um dos muros da penitenciária pelo lado de fora. Neste momento, a polícia reagiu, e houve troca de tiros.
“Os presos ganharam a galeria através do rompimento de uma das portas, provavelmente, mas ainda não temos essa situação perfeitamente definida, e conseguiram rompendo a parede. Aí já veio a explosão e houve cobertura de forte tiroteio por parte dos externos junto com a Polícia Militar e com o grupo Soe [Serviço de Operações Especiais], que chagava no momento pra atender”, afirmou Cartaxo à GloboNews.
Cartaxo suspeita que a ação tenha sido coordenada. Segundo o Depen, havia 640 presos na penitenciária que é gerida integralmente pelo poder público. Este número, de acordo com Cartaxo, está dentro da capacidade do presídio.
Para o Secretário de Segurança, Wagner Mesquita, a fuga foi uma «ação orquestrada», com preparação de muitos dias.
Reféns
De acordo com a polícia, quatro suspeitos que participarem da explosão fizeram uma família refém, em Piraquara, próximo ao presídio. A polícia foi ao local e, após negociação, o grupo se entregou.G-1

Sigue leyendo
Anuncio

Tendencias