Conectate con nosotros

Fronteira

MUNDO NOVO.Subtenente da PM preso em operação da PF teve filho assassinado em 2017

Publicado

en

Cerca de 211 policiais federais cumprem 22 mandados de prisão preventiva para desarticular quadrilha de tráfico internacional de drogas e lavagem de dinheiro em cinco estados.

A operação Laços de Família, realizada pela PF (Polícia Federal) na manhã desta segunda-feira (25), prendeu preventivamente o subtenente Silvio César Molina Azevedo, lotado no Batalhão da Polícia Militar de Eldorado – a 447 quilômetros de Campo Grande.

Conforme apurado pelo Campo Grande News, o militar é um dos alvos da operação que têm como objetivo o combate a uma organização criminosa que “lavava” o dinheiro do tráfico por meio de joias, veículos de luxo, “laranjas” e empresas de fachadas, na fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai.

Segundo o Portal da Transparência de Mato Grosso do Sul no mês de maio, o subtenente teve salário de R$ 10.145,40 e recebeu líquido R$ 7.619,22.

Até o ano passado, Molina era policial em Mundo Novo. De acordo com a Polícia Militar, o subtenente está na delegacia da Polícia Federal de Naviraí e, “após os trâmites legais, será conduzido por equipe da PM ao Presídio Militar Estadual em Campo Grande”.

Em junho do ano passado, o filho de Molina foi assassinado em uma lanchonete no centro de Mundo Novo. Jefferson Henrique Piovezan Azevedo Molina tinha 25 anos e estava com um grupo de amigos quando dois homens chegaram ao local em uma motocicleta. O piloto teria disparado pelo menos 10 vezes contra o rapaz, que foi socorrido, mas não resistiu.

Além do militar, um comerciante da região também foi preso durante a operação. O nome do alvo ainda não foi divulgado.

Operação – Cerca de 211 policiais federais cumprem 22 mandados de prisão preventiva para desarticular quadrilha de tráfico internacional de drogas e lavagem de dinheiro, cujo o núcleo está instalado na fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai.

Os principais cabeças são da mesma família, de forma assemelhada à máfia, além de ter ligação com o PCC (Primeiro Comando da Capital). No total, são 38 investigados. As penas somadas dos crimes cometidos, atingem aproximadamente 35 anos de prisão

A Operação Laço de Família, que além de MS acontece simultaneamente nos Estados do Paraná, São Paulo, Goiás e Rio Grande do Norte cumpre 210 mandados. Somente neste mês, esta é a terceira operação contra o PCC no Estado.

Segundo a investigações da Delegacia de Polícia Federal de Naviraí, grandes carregamentos de drogas vindos da fronteira eram levados para várias regiões do Brasil, geralmente escondidos em caminhões e carretas com cargas aparentemente lícitas – a serviço da criminalidade. Durante a investigação foram apreendidas duas toneladas de maconha com a organização.

Conforme a polícia, a estratégia garantia “vida luxuosa e nababesca [requintada] aos patrões do tráfico internacional de drogas, que incutiam o temor e o silêncio na região, pela sua violência e poderio”. Também eram utilizados helicópteros para transportar joias.

A Justiça Federal da 3ª Vara de Campo Grande expediu contra a organização criminosa 20 mandados de prisão preventiva, dois mandados de prisão temporária, 35 mandados de busca e apreensão em residências e empresas, 136 mandados de sequestros de veículos terrestres, sete mandados de sequestro helicópteros, cinco mandados de sequestro de embarcações de luxo, 25 mandados de sequestro de imóveis (apartamentos, casas, sítios, imóveis comerciais). Só na fase de investigação, o grupo perdeu R$ 61 milhões. CGNEWS

Sigue leyendo
Anuncio
Comentarios

Fronteira

Quer ganhar uma viagem com um acompanhante pro Chile??

Publicado

en

Quer ganhar uma viagem com um acompanhante pro Chile??
Então fiquem ligados na promoção incrível que ta acontecendo! https://www.facebook.com/shoppingchinaimportados/posts/2372585459466710


Sigue leyendo

Fronteira

Narcoilusão: advogada conta como salário de R$ 15 mil e romance na fronteira de MS a puseram na cadeia

Publicado

en

Presos que tentaram ganhar algum dinheiro trabalhando para o narcotráfico são maioria nas cadeias de Mato Grosso do Sul: a cada 10 detentos, 4 estão atrás das grades por ligação com tráfico de drogas. E essa proporção aumenta no caso das mulheres, que geralmente vão para trás das grades depois de se envolverem nas atividades de homens com quem se relacionam.

Os casos de mulheres aliciadas são muitos, e não têm a ver com nível econômico, beleza ou grau de escolaridade. “Eu ganhava muito bem”, resume Sirlei de Marques, 45 anos, bacharel em direito, cumprindo pena há 1 ano e 8 meses no Presídio Feminino Irmã Irma Zorzi, em Campo Grande. Com ganhos de R$ 15 mil por mês, a advogada diz que ‘se deixou levar pelo namorado e pela vida boa’.

O caso é muito comum entre as detentas no Irma Zorzi. Quase todas as presas por tráfico de drogas contam que caíram depois de serem apresentadas à vida de crime pelos parceiros. Algumas, inclusive, juram que não sabiam do envolvimento de namorados e maridos com o narcotráfico quando acabaram implicadas.

É o caso da advogada Sirlei. Ela conta que foi envolvida na trama que a colocou no presídio por causa de duas tentações: dinheiro e amor.

“Vou sair de cabeça erguida porque já paguei pelos meus crimes”, fala. A advogada diz que o tempo na cadeia a ensinou e a fez perceber que a sua família é seu alicerce e que, apenas, eles merecem seu afeto.

Sirlei contou que namorava um homem na fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai, e que durante um ano era a responsável pelos contratos da empresa dele, que atuava na venda e compra de imóveis e de carros. Para isso, ganhava muito bem: R$ 15 mil.

“Eu desconfiava de que ele fazia algo errado, já que eram muitas pessoas estranhas entrando e saindo do escritório. Mas, pensei: Ah! Tô ganhando bem”.

Mesmo sabendo que o namorado fazia tráfico de drogas, Sirlei resolveu continuar na relação que proporcionava luxos sem grandes esforços.

Para ela o tempo no presídio é o tempo que quer esquecer. “Vou me mudar de Mato Grosso do Sul. Quero arrancar está página da minha vida”.

Durante uma viagem que precisava fazer a São Paulo emprestou o carro do namorado, mas acabou sendo ‘pega’ no meio do caminho pela polícia. Em um compartimento oculto da carroceria, estavam nada mais nada menos que 70 quilos de maconha.

Sirlei jura que não sabia da carga, e achava que o namorado nunca a envolveria diretamente no tráfico.

Presa em flagrante, foi condenada a 9 anos e 8 meses de prisão. Sirlei foi condenada por tráfico privilegiado, que diminui a pena em até um sexto, e só cabe a quem é ‘traficante’ eventual ou ocasional.

Sobre o namorado, a advogada diz que não tem notícias e nem quer saber. “Quase enlouqueci quando cheguei aqui. Chorava todo dia”, fala. Ela está presa há 1 ano e 8 meses, e logo deve ganhar o regime semiaberto. Sirlei fala que teve de começar a tomar remédios controlados para conseguir dormir na cela da prisão.

“Vou sair de cabeça erguida, porque já paguei pelos meus crimes”, aposta.

A advogada diz que o tempo na cadeia a ensinou e a fez perceber que a sua família é seu alicerce e que, apenas, eles merecem seu afeto. O tempo de reclusão a fez se aproximar novamente do pai, com quem não falava há 20 anos.

Para ela o tempo no presídio é o tempo que quer esquecer. “Vou me mudar de Mato Grosso do Sul. Quero arrancar esta página da minha vida”, concluiu.

Dados do Mapa Carcerário da Agepen são de que no Estado 67% das mulheres cumprindo pena em presídios é pelo crime de tráfico de drogas. Um percentual de quase o dobro em relação aos homens, que somam 38,1%.

No Presídio Feminino Irmã Irma Zorzi, são 324 internas sendo que 238 cumprem pena pelo crime de tráfico de drogas, e em sua maioria foram atraídas para o crime por companheiros.

Sigue leyendo

Fronteira

MS.Filha de PM assistia vídeos no celular momentos antes de atirar na própria cabeça em MS

Publicado

en

Antes de atirar contra a própria cabeça na noite deste domingo (17), a filha do policial militar de Mundo Novo, estaria assistindo vídeos no celular. A polícia ainda não tem informações do conteúdo dos vídeos. A menina usou a arma pessoal do pai para fazer o disparo.

Segundo a delegada Allana Mariele que está à frente do caso, o aparelho celular, e o computador da menina foram apreendidos e agora se espera autorização judicial para poder saber o que havia neles.

Um caderno com mensagens de descontentamento também foi levado pela polícia para passar por análise. “Eram mensagens de brigas familiares, afastamento de colegas, mas ainda não foi confirmado se a caligrafia seria da menina”, disse a delegada.

Na hora dos fatos, os pais da criança estavam na cozinha e a filha assistindo vídeos no celular. Ela foi chamada pelos pais, mas não apareceu na cozinha, momento que ouviram o disparo. A menina foi encontrada caída no chão do quarto com a arma do militar ao lado do corpo. O pai da criança não pode ser ouvido pela polícia, já que estava em choque e teve de ser levado para atendimento médico.

A arma estava guardada em uma gaveta junto da arma funcional do policial, mas a gaveta não estava trancada. A mãe contou a delegada, que a filha era uma adolescente normal, e que não apresentava nenhum quadro de depressão. A morte da menina coincide com rumores que circularam na internet sobre a veiculação de vídeos com desafios suicidas usando a figura da ‘boneca Momo’.

Boneca Momo: o que é e como proteger as crianças
A Boneca Momo já foi tema de reportagem do Jornal Midiamax, quando era disseminada em correntes no WhatsApp. Com um desafio parecido com o da Baleia Azul, uma a corrente foi causa de preocupação entre os pais.

A Boneca Momo é uma figura medonha, de olhos esbugalhados e parecida com uma mulher pássaro. Na corrente, alguém se passa pelo personagem e lança um jogo com desafios perigosos, como o sufocamento e enforcamento.

Especialistas defendem tanto a mediação de responsáveis quanto ao conteúdo acessado por crianças e jovens na internet, como tratar os jogos perigosos como uma política de prevenção à saúde.

Eles destacam que em alguns países, como a França, Canadá e África do Sul, a prevenção aos jogos de risco recebem a mesma atenção dos governos que a prevenção do suicídio, ou seja, são tratados como problemas de saúde pública. No Brasil, há pouquíssima discussão sobre o tema.

“Nós observamos que os pais têm medo de quando os filhos estão na rua, porque eles podem correr riscos. Risco do assalto, risco do sequestro, de usar drogas, das violências urbanas. Mas, quando o filho está trancado no quarto ou no banheiro, ele está exposto a outros perigos que infelizmente são invisíveis aos pais.

São nesses ambientes que os jogos de risco costumam acontecer”, explica Luísa Maria Freire Miranda, psicóloga que desenvolve em seu mestrado na UFC (Universidade Federal do Ceará) pesquisa sobre os jogos de risco como um fenômeno da atualidade, uma espécie de espetacularização totalmente inconsequente. MIDIAMAX

Sigue leyendo

Más popular