Conectate con nosotros

Fronteira

Governo debate monitoramento de carbono na agropecuária e lança Carne Sustentável do Pantanal

Publicado

en

O incentivo à adoção de práticas sustentáveis que promovam a redução das emissões de carbono na produção industrial e agropecuária de Mato Grosso do Sul é um dos eixos estruturantes da política de desenvolvimento econômico implantada pela administração estadual do governador Reinaldo Azambuja, em consonância com as diretrizes e metas nacionais firmadas na COP 21.

Para tratar do assunto, nesta terça-feira (27.2), a Embrapa Gado de Corte realiza o fórum “Oportunidades de precificação de carbono no setor agropecuário”. O evento conta com o apoio do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro) e será realizado às 8h, no auditório da Federação da Agricultura e Pecuária de MS (Famasul). A organização também conta com a participação da WRI Brasil.

“O Brasil tem condições de liderar a questão das mudanças climáticas e Mato Grosso do Sul apresenta hoje uma situação favorável para despontar como referência, pois oferece condições competitivas para o setor produtivo e abriga boas práticas de sustentabilidade. A realização desse fórum é fundamental para nos auxiliar na implementação de políticas públicas inovadoras”, comenta o secretário da Semagro, Jaime Verruck.

Durante o fórum, será debatida a utilização de ferramentas de precificação de emissões de carbono no setor agropecuário. Essa é uma discussão que ocorre em âmbito nacional, sob supervisão do Ministério da Fazenda e integra o projeto PMR Brasil (sigla para Partnership for Market Readiness, Parceria para a Preparação do Mercado), com foco na futura regulação do setor no País. O evento irá contar com a presença de autoridades governamentais, pesquisadores e representantes do setor empresarial.

Carne Sustentável do Pantanal

Além do debate sobre as emissões de carbono, o fórum também será palco para o lançamento das medidas do Governo do Estado para o apoio à produção de Carne Sustentável no Pantanal.

O objetivo do Governo do Estado é fomentar a competitividade e incentivar a pecuária bovina de baixo impacto ambiental no Pantanal, estimulando a produção baseada no modelo tradicional, com baixo nível de intervenção nos recursos naturais existentes naquela região, e utilizando-se de escopos tecnológicos, para linhas de produtos característicos e diferenciados, com maior agregação de valor e devidamente certificados, por empresas certificadoras independentes de terceira parte, acreditadas pelo Inmetro.

O apoio à produção de Carne Sustentável no Pantanal será inserido no contexto do Programa de Avanços na Pecuária de Mato Grosso do Sul (Proape), instituído pelo decreto nº 11.176, de 11 de abril de 2003, na parte relativa à bovinocultura. Além da Semagro, integram a iniciativa a Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz); a Famasul e Associação Brasileira de Pecuária Orgânica (ABPO).
DOURADOS NEWS

Sigue leyendo
Anuncio
Comentarios

Fronteira

Brasil inicia operativo militar en sus fronteras

Publicado

en

El gobierno de Brasil comenzó hoy el operativo militar “Fronteira Sul I” en sus fronteras con Paraguay, Argentina y Bolivia, con el objetivo de contrarrestar el contrabando de mercancías y el tráfico de drogas y armas.

El gobierno de Brasil comenzó hoy el operativo militar “Fronteira Sul I” en sus fronteras con Paraguay, Argentina y Bolivia, con el objetivo de contrarrestar el contrabando de mercancías y el tráfico de drogas y armas.

Este tipo de operativo militar se vienen realizando desde el 2016 y generalmente dura dos semanas. Una de sus consecuencias en Paraguay es que afecta el movimiento comercial en ciudades fronterizas como Ciudad del Este, Pedro Juan Caballlero y Salto del Guairá.

Se trata de una intensificación en los controles de seguridad y fiscalización en aduana de la franja de frontera de Argentina, Paraguay y Bolivia. “Fronteira Sul I” está a cargo de la 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada del Exército Brasileiro, según informa la Sección de Comunicación Social de esta unidad militar.

En un comunicado de prensa se detalla que desde el inicio del año se iniciaron los patrullajes terrestres y fluviales, el establecimiento de puestos de bloqueo y control de carreteras, vías urbanas y fluviales, el control de personas, vehículos, embarcaciones y aeronaves, y la intensificación de la fiscalización de productos controlados.

El operativo se fundamenta en el “Programa de Proteção Integrada de Fronteiras”, establecido por el gobierno de la República Federativa do Brasil para el fortalecimiento de la prevención del control, la fiscalización y la represión de los delitos transfronterizos y ambientales. ABC

Sigue leyendo

Fronteira

Quer ganhar uma viagem com um acompanhante pro Chile??

Publicado

en

Quer ganhar uma viagem com um acompanhante pro Chile??
Então fiquem ligados na promoção incrível que ta acontecendo! https://www.facebook.com/shoppingchinaimportados/posts/2372585459466710


Sigue leyendo

Fronteira

Narcoilusão: advogada conta como salário de R$ 15 mil e romance na fronteira de MS a puseram na cadeia

Publicado

en

Presos que tentaram ganhar algum dinheiro trabalhando para o narcotráfico são maioria nas cadeias de Mato Grosso do Sul: a cada 10 detentos, 4 estão atrás das grades por ligação com tráfico de drogas. E essa proporção aumenta no caso das mulheres, que geralmente vão para trás das grades depois de se envolverem nas atividades de homens com quem se relacionam.

Os casos de mulheres aliciadas são muitos, e não têm a ver com nível econômico, beleza ou grau de escolaridade. “Eu ganhava muito bem”, resume Sirlei de Marques, 45 anos, bacharel em direito, cumprindo pena há 1 ano e 8 meses no Presídio Feminino Irmã Irma Zorzi, em Campo Grande. Com ganhos de R$ 15 mil por mês, a advogada diz que ‘se deixou levar pelo namorado e pela vida boa’.

O caso é muito comum entre as detentas no Irma Zorzi. Quase todas as presas por tráfico de drogas contam que caíram depois de serem apresentadas à vida de crime pelos parceiros. Algumas, inclusive, juram que não sabiam do envolvimento de namorados e maridos com o narcotráfico quando acabaram implicadas.

É o caso da advogada Sirlei. Ela conta que foi envolvida na trama que a colocou no presídio por causa de duas tentações: dinheiro e amor.

“Vou sair de cabeça erguida porque já paguei pelos meus crimes”, fala. A advogada diz que o tempo na cadeia a ensinou e a fez perceber que a sua família é seu alicerce e que, apenas, eles merecem seu afeto.

Sirlei contou que namorava um homem na fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai, e que durante um ano era a responsável pelos contratos da empresa dele, que atuava na venda e compra de imóveis e de carros. Para isso, ganhava muito bem: R$ 15 mil.

“Eu desconfiava de que ele fazia algo errado, já que eram muitas pessoas estranhas entrando e saindo do escritório. Mas, pensei: Ah! Tô ganhando bem”.

Mesmo sabendo que o namorado fazia tráfico de drogas, Sirlei resolveu continuar na relação que proporcionava luxos sem grandes esforços.

Para ela o tempo no presídio é o tempo que quer esquecer. “Vou me mudar de Mato Grosso do Sul. Quero arrancar está página da minha vida”.

Durante uma viagem que precisava fazer a São Paulo emprestou o carro do namorado, mas acabou sendo ‘pega’ no meio do caminho pela polícia. Em um compartimento oculto da carroceria, estavam nada mais nada menos que 70 quilos de maconha.

Sirlei jura que não sabia da carga, e achava que o namorado nunca a envolveria diretamente no tráfico.

Presa em flagrante, foi condenada a 9 anos e 8 meses de prisão. Sirlei foi condenada por tráfico privilegiado, que diminui a pena em até um sexto, e só cabe a quem é ‘traficante’ eventual ou ocasional.

Sobre o namorado, a advogada diz que não tem notícias e nem quer saber. “Quase enlouqueci quando cheguei aqui. Chorava todo dia”, fala. Ela está presa há 1 ano e 8 meses, e logo deve ganhar o regime semiaberto. Sirlei fala que teve de começar a tomar remédios controlados para conseguir dormir na cela da prisão.

“Vou sair de cabeça erguida, porque já paguei pelos meus crimes”, aposta.

A advogada diz que o tempo na cadeia a ensinou e a fez perceber que a sua família é seu alicerce e que, apenas, eles merecem seu afeto. O tempo de reclusão a fez se aproximar novamente do pai, com quem não falava há 20 anos.

Para ela o tempo no presídio é o tempo que quer esquecer. “Vou me mudar de Mato Grosso do Sul. Quero arrancar esta página da minha vida”, concluiu.

Dados do Mapa Carcerário da Agepen são de que no Estado 67% das mulheres cumprindo pena em presídios é pelo crime de tráfico de drogas. Um percentual de quase o dobro em relação aos homens, que somam 38,1%.

No Presídio Feminino Irmã Irma Zorzi, são 324 internas sendo que 238 cumprem pena pelo crime de tráfico de drogas, e em sua maioria foram atraídas para o crime por companheiros.

Sigue leyendo

Más popular